quinta-feira, 21 de julho de 2016

A CANÇÃO DE LISBOA

Anunciar este filme como uma nova versão ou refilmagem do seu homónimo de 1933, realizado por Cottinelli Telmo, no mínimo, é um disparate. OK, é uma comédia, as personagens têm nomes idênticos e Vasco Leitão é o mesmo estudante de medicina cábula, que vive à conta das tias. Mas logo ai param as semelhanças com esta produção de Leonel Vieira, realizada por Pedro Varela - nem podia ser de outra maneira, tendo em conta a diferença de mais de 8 décadas de permeio...

Boa notícia também é que o Vasquinho já não canta fado, as canções a que empresta a voz são da autoria de Miguel Araújo / Nuno Malo. Como esta:


César Mourão, Luana Martau e Miguel Guilherme encabeçam o elenco e, se já não tinha dúvidas sobre o talento deste último, fiquei muito bem impressionada com o dos seus acompanhantes. Igualmente positiva a presença da luz de Lisboa nas imagens que retratam o dia a dia da cidade, das obras aos palácios, dos jardins aos recantos mais recônditos.

E não, não me parece que a boa sensação resulte apenas do facto de estar de férias e de ter ido com a famelga (quase) toda ao cinema, em excursão: trata-se de uma a comédia despretensiosa e bem humorada que, no mínimo, dispõe bem. É pedir muito?

Imagem de cena do filme da net.

28 comentários:

  1. Respostas
    1. Gostei, LOPESCA!:)

      Eliminar
    2. E fazes muito bem,LOPESCA! :)

      Eliminar
  2. Gosto muito do Miguel Guilherme e da sua abrangência de registos e atuações, mas só achei piada à versão do Pátio das Cantigas. Da do Leão da Estrela já não gostei. E agora já não me apetece ver esta até porque A Canção de Lisboa, bem como o Pai Tirano foi do melhor de Vasco Santana.

    Beijinhos cinéfilos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu acho é que não se deviam comparar uns filmes com os outros, porque obviamente a semelhança é muito vaga, GRAÇA! Mas pronto, também ninguém os mandou fazerem filmes com o mesmo título. De qualquer das formas não acho que os filmes mais atuais fiquem a perder em relação aos antigos, que essa coisa do "já não se fazem filmes como antigamente" parece-me um saudosismo muito bacoco - há épocas para tudo e o próprio humor muda com o tempo... :)

      Beijocas cinéfilas!

      Eliminar
  3. Apetece-me ver esta nova Canção de Lisboa, Teé, mas para já vou ver o filme de 1933.

    O Pai Tirano foi do melhor de Vasco Santana e também tenho o DVD.

    Uma noite em cheio com filmes portugueses dp tempo da minha avó.

    Beijocas do ano 2016.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O erro está precisamente em comparar o antigo com o atual, EMATEJOCA! :)

      Beijocas no presente!

      Eliminar
  4. Este ainda não vi, mas vi o Pátio das Cantigas e gostei bastante da adaptação que fizeram.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.
    Andarilhar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também gostei, FRANCISCO! :)

      Abraço

      Eliminar
  5. Estava na dúvida..vou ou não vou, confesso que tinha medo de apanhar uma desilusão, mas depois de ler a tua opinião acho que me vou pôr a caminho.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabes que quando as expetativas são muito altas a desilusão é maior, não é, MANU? O "segredo" é não ir ao cinema com muitas, nem começar a fazer comparações, neste caso... :)

      Beijocas

      Eliminar
  6. Também gostei do filme, é como dizes, predispõe bem. E Lisboa ficou tão linda. :-)
    Um beijinho, Teté.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também achei, SUSANA! :)

      Beijinho!

      Eliminar
  7. Eu também vou arriscar porque gosto dos dois actores.
    beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Confesso que não conhecia muito bem este César Mourão, PAPOILA, daí a "surpresa" ter sido boa... :)

      Beijinhos

      Eliminar
  8. Ouvi hoje esta canção na rádio e admirei-me com a voz César Mourão. Gostei muito. espero ir ver o filme em breve. Obrigada pela partilha de opinião.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também eu, MZ,nem fazia ideia que ele (também) cantava, MZ! :)

      Eliminar
  9. É filme que não chama por mim.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que seria do amarelo, se todos tivessem bom (o mesmo) gosto,BEA? :)

      Eliminar
  10. Reinventar exige mais criatividade.
    Beijocas, boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aqui reinventaram imenso, PEDRO: é um outro filme! :)

      Beijocas e boa semana para si também!

      Eliminar
  11. Talvez espere que venha para a televisão...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vai acabar por dar, evidentemente, REDONDA, mas eu já fui adiantando visionamento... :)))

      Eliminar
  12. E agora passei para ouvir a música e gostei :)
    um beijinho
    Gábi

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também gostei, REDONDA! :)

      Beijinhos

      Eliminar
    2. Eu não digo? Tu vendes o peixe todo! hehehehe

      Vi "O pátio das cantigas" e gostei... por isso de certeza que também irei gostar desta "Canção de Lisboa" :)

      Vou ver o vídeo
      Beijinhos com música
      (^^)

      Eliminar
    3. Devia ter ido para "peixeira", AFRODITE! :)))

      Estou certa que também vais gostar deste... :D

      Beijinhos com muita música!

      Eliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)