segunda-feira, 27 de junho de 2016

O 1º FIM DE SEMANA DE VERÃO

Por razões que não interessa agora explicitar, fomos passar fora o fim de semana. Num hotel rural bastante simpático, embora não lhe pretenda fazer publicidade.

O hotel é simpático, mas no meu modesto entender  peca por um grave defeito: não tem boa luz para leitura. E quem diz leitura, diz para fazer tricot, crochet, bordados ou palavras cruzadas, por exemplo, dependendo dos passatempos de cada um. O que em pleno século XXI é um pouco ridículo.

1. Igreja de Nossa Senhora da Conceição, em Atouguia da Baleia, Peniche
Domingo de manhã levantámo-nos cedo, para tomar o pequeno almoço e dar uma volta pelas redondezas. Não visitámos o interior desta igreja, mas o largo exterior pareceu-nos bem agradável, apesar do touril ali existente fazer supor que em tempos funcionou ali uma arena para touradas.

2. Praia e litoral de Peniche
Uma meia dúzia de quilómetros depois encontrámos a praia, que dada a hora, o vento e a temperatura ambiente estava assim: às moscas!

Quer dizer, abundavam turistas nacionais e também não faltavam as belas gaivotas...

 ... nem os rochedos a lembrar naus de outras eras, ou a espuma das ondas a desmanchar-se no encontro com as rochas do litoral.

O que também não falta são os símbolos da fé humana, em crucifixos...

... ou noutras capelas, também poiso das impávidas gaivotas.

Em terra de pescadores, curioso é encontrar um painel de azulejo de homenagem... às lavadeiras de outros séculos. Porquê? Essa é uma boa pergunta, à qual não sei responder. No entanto, o monumento mais conhecido da cidade não aparece nestas imagens, para não tornar o desafio demasiado fácil.

3. Feira do Livro da Ericeira - de 23 de Junho a 28 de Agosto de 2016
Continuando o passeio e já de regresso a Lisboa, resolvemos parar para almoçar no caminho. Com tanta sorte, que dei logo de caras com esta feira... (será perseguição?)

4. Praia da Ericeira
Aqui a praia estava mais povoada e animada, o tempo também estava a aquecer.

Seguimos por ruas estreitas e sinuosas, até que por fim encontrámos um restaurante onde abancámos.

A cataplana de ameijoas e camarão estava deliciosa, embora a foto tenha saído assim encarniçada - culpa do toldo vermelho exterior, frente à nossa janela.  

Quando voltámos ao "bólide", não resistimos a uma paragem pela feirinha - que era pequena, como se nota. Em boa hora, que encontrei um livro que procurava há mais de uma década e que constituiu uma alegria inesperada! 

Mas pronto, estava na hora de regressar a casa, a praia ficou para meia dúzia de corajosos e surfistas. E a pergunta que se impõe é: por onde andámos nós?

ADENDA a 30 de Junho de 2016: Todas as legendas a azul; tal como a Angela, a Papoila e a Luisa suspeitaram, as primeiras fotos são de Peniche: já as últimas são da Ericeira. Obrigada a todos pela participação.

19 comentários:

  1. Liguei agora e adorei ver essa linda imagem da janela do pátio do hotel, mesmo bonita! essa de não haver luz suficiente e em Portugal, também surpreende, mas nas casas antigas as entradas de luz eram pequenas para guardar a frescura no interior (o ar condicionado só existia com as correntes de ar), será isso ?! na minha opinião sera para os lados de Peniche ?!!! beijinhos, feliz dia para ti
    Angela

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, as primeiras fotos são para os lados de Peniche, ANGELA! Não me parece é que ali precisassem de guardar muito a frescura, a construção é que era assim, de janelas pequenas. Dito isto, com luz do dia não havia problema, nos quartos e na zona da piscina - o pior era à noite!

      Beijinhos

      Eliminar
  2. Lindas e belas fotografias gostei desta magnifica reportagem.
    Um abraço e uma boa semana.
    Andarilhar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, FRANCISCO! :)

      Abraço

      Eliminar
  3. Olá Teté, Eu vou arriscar: Peniche?
    Fico ansiosa esperando o resultado :))
    Muito bonito o passeio, também fico espantada com a falta de luz....deve ser gente que não é dada a leituras :))))beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As primeiras fotos são mesmo de Peniche, PAPOILA. O maridão foi participar numa corrida noturna, daí termos dormido por lá. E tinha dado uma melhor iluminação na sala, sim, que eu tinha programado ficar no hotel a ler, já que correr não é comigo.

      As últimas fotos já são da Ericeira... :)

      Beijocas

      Eliminar
    2. Eu bem que conhecia o muro!!!!
      Beijinhos

      Eliminar
  4. Paisagens bonitas de praias um pouco mais agrestes que as do sul. :)
    Lendo os palpites da Ângela e da Papoila e pesquisando imagens com os ensinamentos do Rui, fui parar à igreja de S.Pedro, em Peniche. Elas devem estar certas. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É na zona de Peniche, sim, mas a igreja é a da Nossa Senhora da Conceição, em Atouguia da Baleia, LUISA! :)

      Eliminar
  5. Falta de luz para leitura é imperdoável num local desses bucólico :)
    Adorei as fotos.

    Blog LopesCa | Facebook

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O local é muito bonito, mas tem esse senão, LOPESCA. ;)

      Obrigada

      Eliminar
  6. Mais do que o mar, mais do que as gaivotas, mais do que a mariscada, mais do que a Feira do Livro, mais do que a praia...a primeira foto encheu-me as medidas. Completamente!
    As arcadas guarnecidas pelas lindas flores da buganvília e o verde da vegetação, tudo, nesse lugar, sugere tranquilidade e paz.
    Por onde andaste? Pois, não sei! Mas gostei e muito! :)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É, o local é muito bonito, JANITA, problema da luz elétrica à parte... :)

      O arbusto trepadeira não sei como se chama, mas não é uma buganvília. E sim, estava bem tranquilo, até em dia de bola...

      Beijocas

      Eliminar
  7. Imagens lindas e não faltou nada, até comida e feira do livro :)
    Acho que a pouca luz do hotel me ia dar sono :)
    um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, também acabei a fazer uma sestinha, REDONDA! :)

      Beijocas

      Eliminar
  8. Mais outro post que perdi. Ou porque não apareceu nas atualizações ou porque estava distraída.
    Sei agora por onde andaste, mas fiquei curiosa sobre o livro. Que livro foi esse que andavas à procura há 10 anos?!! : ))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, CATARINA, em 1976 comecei a coleção da Agatha Christie na Vampiro gigante: 40 volumes,cada um com 2 livros. Saía prái um por mês, mas na altura era estudante, nem sempre tinha dinheiro extra para livros ou me lembrava que já tinha saído um novo. No final, fiquei com 37 livros e não encontrei mais os que me faltavam à venda. Mas herdei um de um tio que tinha alguns destes policiais. Agora encontrei outro. E não tenho dúvidas que hei de encontrar o nº 38, que é o que me falta neste momento. Mas lá que me tem dado muito trabalhinho a procurar, lá isso... :)

      Eliminar
  9. Um desafio que não vi. Lindas imagens, algumas conheço muito bem, tal como a da rocha do Cabo Carvoeiro, onde se come muito bem no Restaurante Nau dos Corvos.

    O azulejo em homenagem às lavandeiras é obra de um grande amigo e vizinho meu, de nome Gama Diniz.

    Em tempos que lá vão chegamos a ficar na Herdade de Touril em Zambujeira do Mar e o maior defeito nas casas deste género era a falta de luz.

    Gostei desta arcada enfeitada com as trompetas.

    Bom fim de semana Teté.

    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, é o mesmo nome do rochedo, ADÉLIA. Que aliás nem sabia, mas o rochedo destaca-se tanto na paisagem que obviamente fotografei-o de várias maneiras e feitios... :)

      Obrigada pela informação, desconhecia a autoria do azulejo.

      Sabia que não eram buganvílias, suponho que devem ser mesmo trompetas. Gracias. Que são bem giras!

      Beijocas

      Eliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)