quarta-feira, 18 de março de 2015

O MEU AMOR É VERDE

Há nomes muito bem escolhidos e o desta loja de plantas captou a nossa atenção. A tal ponto que o maridão me deu de presente este lindo e pequenino cato, para juntar à reduzida "coleção" deste ano - ainda não plantei nem a salsa, nem os coentros da praxe, mas está para breve. Para compensar, já floriu timidamente uma primeira orquídea, mas os botões existentes prometem muitas mais. 

O espaço onde fica a loja de "O Meu Amor É Verde" (não, não se trata de nenhuma clubite aguda num estádio de futebol), foi outra agradável surpresa, onde já não punha o pé desde os meus tempos de esbórnia - ou seja, vai para cerca de 30 anos. Remodelado e adaptado aos novos tempos: a praça da Ribeira.

Da velha tradição do cacau - que, diga-se em abono da verdade, nunca bebi - aos chefes e restaurantes de gabarito vai um grande passo, mas foi essa a opção para o local. E não me parece que ninguém se possa queixar, alguns dos melhores e mais famosos paladares da gastronomia nacional estão ali representados, além da sofisticação de alguns pratos gourmet.

A multidão pode ser um incómodo, pessoalmente visitámos sempre "fora de horas" - tanto quanto percebemos o serviço é "non stop" - portanto nunca tivemos problema em sentar, que o espaço é bastante amplo. Ainda longe de termos provado todos os pitéus, os que mais nos surpreenderam pela positiva foram:

as bochechas de porco preto, com puré de batata, couve lombarda e bacon, no restaurante de Henrique Sá Pessoa;

e o pudim de Abade de Priscos da chefe Marlene, que assim à primeira vista pode parecer uma porção diminuta, mas é tão docinho que chega perfeitamente.

Cacau para quê... se nem gosto de leite?!? 

16 comentários:

  1. Ah!!! Gostei deste post!
    Anything that deals with food!! I love food! : )
    O pudim até parece ser uma grande porção. Embora não aprecie pudins, de uma maneira geral, por serem muito doces, este até gostaria de provar.
    Foi aqui que o meu filho foi várias vezes quando esteve em Lisboa no ano passado. Dizia-me que era um mercado – sugerido pelos primos lisboetas – muito “in” e onde se comia muito bem. Situado no Cais “Sudre”, dizia-me. Ah! No Cais do Sodré?! – repeti.
    Tenho que conhecer o novo Mercado da Ribeira!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é uma grande porção, CATARINA, e para mim 3 colheres chegam - comi sempre a "meias" com o maridão, que é mais guloso do que eu, até porque pessoalmente também não sou grande fã de pudins.

      Pois, esta faceta do mercado da Ribeira não é de agora, mas dadas as circunstâncias só agora tive a oportunidade de conhecer e experimentar. Fiquei fã... indo fora de horas! :)

      E claro que fica muito próximo do Cais do Sodré!

      Eliminar
  2. Anónimo3/18/2015

    Já tinha lido, no blog do Kim, acerca da conversão do Mercado da Ribeira em um espaço muito in onde os restaurantes são na sua maioria na base dos pratos gourmet. E, quase sempre a rebentar de gente.
    Longe vão os tempos em que a Rita peixeira namorava o Chico pescador!

    Essa loginha do amor verde gostei! O cato é lindo e o maridão teve muito bom gosto...esse não tem espinhos!:)

    Engraçado como essa "versão" do pudim Abade de Priscos, receita originária de Braga, tem uma forma de torta enrolada. Aqui é redonda, mas tens razão quanto à quantidade. É tão doce que se for uma dose grande, enjoa!

    Se gostaste do espaço, te sentiste bem e gostaste, tens mais é que repetir, Teté!

    À vezes sabe bem mudar, mas já ouvi opiniões menos boas devido à enorme afluência de frequentadores. Provavelmente, a hora tem muito a ver.

    Agora, o Chico, de volta e meia, já não prega dois beijos na Rita...fiquei saudosa! :-))

    Beijinhos .

    Janita

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ele não gostou muito, JANITA, mas suponho que o segredo para se apreciar o local é ir fora de horas - tipo almoçar às 3 e tal da tarde, como fazemos por vezes aos fins de semana.

      Mas não, o pudim não tem forma de torta, antes parece ter sido feito numa forma retangular e cortado aos retângulos mais pequenos.

      Tenho mesmo intenção de repetir e provar outras das muitas iguarias.

      Agora não sei quem são essa Rita e esse Chico - livro, telenovela, cinema? Mas sim, longe vão esses tempos,ainda por cima fora de horas - que a praça tem o horário de funcionamento normal (creio) e fecha à tarde e ao domingo... :)

      Beijocas

      Eliminar
  3. Este mercado ainda não visitei, mas acho bem interessante a nova vida que estes espaços estão a ter. E o pudim deixou-me aqui a salivar... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo contigo, LUISA: nem todas as mudanças são más, alguns espaços bem precisam de ser revitalizados e aqui essa mudança pareceu-me particularmente feliz... :)

      Eliminar
  4. Prefiro o de Campo de Ourique ou o do Bom Sucesso no Porto. O da Ribeira é demasiada confusão para a miha cabeça (pelo menos à noite qque foi quando lá estive)
    Beijinhos
    PS : E o meu amor é AZUL ( e branco, vá lá...)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como ao de Campo de Ourique fui à hora do almoço e o espaço é menor, achei este muito mais desafogado, CARLOS. Do que comi, também preferi este, a outra comida pareceu-me mais normal - e eu sou fã incondicional da comida gourmet.

      Beijocas!

      ps - também gosto muito de azul, mas certamente por outras razões! :)))

      Eliminar
  5. E agora fiquei com apetite.
    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É bom sinal, PEDRO! :)

      Beijocas

      Eliminar
  6. Isto por aqui são só recordações... (até pareço o Espadinha).
    É a ribeira, é o cacau, é a noite que foi (é) minha amiga e companheira, amizade e companhia que eu retribui sem limites. ö_ö
    Haviam os 2 cacaus: o na praça e o outro junto ao rio onde descarregavam o peixe.

    Beijokas com sorrisos doces ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como digo,nunca bebi cacau na Ribeira, KOK. Depois da noitada, normalmente era uma cervejinha "para o caminho" e uma sandosca para "acalmar"... :)

      Beijocas sorridentes!

      Eliminar
  7. ~
    ~ Mas que crónica completa e interessante em homenagem
    ao verde vegetal que é o único que eu aprecio.

    ~ Os botões das minhas orquídeas ainda estão longe de abrir.

    ~ Anda por aí uma mão bracarense, com obra de fazer babar.

    ~ ~ ~ Continuação de dias felizes. ~ ~ ~ Beijocas. ~ ~ ~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, eu de verde também gosto mais em plantinhas, MAJO.

      Por acaso já abriu um segundo botão, mas acho engraçado que são muito mais pequeninos que os do ano passado, daí dizer que são tímidos. Hei de tentar tirar uma foto aos dois, embora esteja um em cada ramo da planta... :)

      Não sabia que o pudim era oriundo de Braga, estamos sempre a aprender.

      Obrigada e dias felizes para ti também.

      Beijocas

      Eliminar
  8. Bebi só uma vez o famoso cacau...

    Este delicioso pudim é uma das peças gastronómicas da minha predilecção!!

    Feliz Primavera, Teresinha :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como detesto leite, passei sempre o cacau, SÃO!

      Se gostas, aproveita a passar por lá quando vieres a Lisboa - por 3 euros, sacias o apetite!

      Feliz Primavera também para ti, Sãozinha!

      Eliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)