segunda-feira, 14 de outubro de 2013

BLUE JASMINE

Francamente, nem sei o que dizer do último filme de Woody Allen. Eu, que nunca fui fã do realizador, mas que gostei da maioria dos seus filmes mais recentes. 

Jasmine é uma mulher da alta sociedade apenas preocupada com o seu umbigo e futilidades, mas quando a vida lhe corre para o torto - que é como quem diz, fica sem cheta - aloja-se de malas Vuiton e restante bagagem em casa da irmã, a quem nunca ligou grande importância. Escusado será dizer que considera a casa um pardieiro, sempre detestou o ex-marido da irmã (e o novo namorado desta também vai pela mesma) e nem conhece os sobrinhos, já com os seus 8/10 anos. Ou seja, a vida modesta e honesta da irmã não é para ela, mas como não tem habilitações decide estudar, enquanto arranja um emprego temporário e catrapisca um marido rico. O que não é propriamente fácil no meio social onde a irmã vive. Como se tudo isso não bastasse bebe excessivamente, tem ataques de ansiedade e mente compulsivamente, impingindo a tudo e todos uma versão romantizada do seu passado...

Cate Blanchett é sem dúvida uma séria candidata ao Oscar por este papelão, bem coadjuvada por Sally Hawkins, Bobby Cannavale e restante elenco (só Alec Baldwin parece estar a fazer o mesmo papel de sempre...), mas isso não chega para o exagerado 7.8/10 de pontuação da IMDb. Dito isto o filme vê-se, mas o argumento não ultrapassa a banalidade.

Fica o trailer, para os eventuais interessados:


Imagem de cena do filme da net.

24 comentários:

  1. Também nunca fui um grande fã dos seus filmes, enquanto realizador. Gostei como ator ou até quando escrevia.

    Mas não sou de ideias fixas nestes assuntos...não vi nem conheço este filme. Quem sabe não gostarei...

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois olha, JP, ainda gostava menos dele como ator: é feio, desinteressante e parece sempre estar com uma crise de ansiedade. Aliás, todos os filmes que mais gosto dele, ele não representa... :)

      Beijocas!

      Eliminar
  2. O filme só chega a Düsseldorf no dia 7 de Novembro, mas pelo que li aqui, a história faz-me lembrar "Um Eléctrico Chamado Desejo" de Tennessee Williams.

    Eu, GRANDE ADMIRADORA do Woody Allen, vi TODOS os seus filmes e aguardo este com grande ansiedade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Imagino que sim, EMATEJOCA, mas sempre é melhor não teres grandes expetativas, que a desilusão é menor.

      Esse filme vi-o em miúda na TV, não me lembro minimamente... ;)

      Depois diz o que achaste do novo filme do teu ídolo! :D

      Eliminar
  3. Não sou fã de Woody Allen, nunca vi nenhum filme dele, acho, e tenho ali um livro que está em fila de espera há 250 anos...

    Dizes que o filme vê-se...ok, vou esperar passar na tv :p

    Beijinho e é bom ver-te aqui :)))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Está em fila de espera há 250 anos, MARIA? Oops, sabes que com esse tempo todo só me lembrei de Diderot ou... do marquês de Sade! :)))

      E sim, é uma boa, ideia, escusas de gastar dinheiro no bilhete... :)

      Beijocas!

      Eliminar
  4. Nunca apreciei W.Allen.

    E, pelo que contas, isso é mais ou menos uma versão da peça "Um Eléctrico Chamado Desejo"

    Beijufas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só que "Um Eléctrico Chamado Desejo" é uma das melhores peças de teatro de todos os tempos.

      Eliminar
    2. Eu sei que é uma excelente peça : já a vi representada no D.Maria II (Lisboa) e vi o filme com Marlon Brando.

      Não é a peça que estou a pôr em causa, até porque admiro T. Williams, o autor.

      Há meses fui ao S.Luiz ver, com um excelente elenco, "Romeu e Julieta" e deparo-me com as personagens vestidas à moda do século XIX e um dia destes vi uma das óperas de Wagner , no Mezzo,com as personagens vestidas com fatos de astronautas,,,

      Pode ser que o mau gosto seja meu, mas se querem fazer alguma coisa de diferente criem as suas próprias obras e deixem as dos outros tal como foram comcebidas.


      Simplesmente, prefiro sempre(com raríssimas excepções) o original.

      Eliminar
    3. Somos duas, SÃO, embora tenha gostado dos seus últimos filmes (a maioria, não todos!)

      Desse filme, que vi em miúda, não me lembro minimamente, daí não poder dar palpite! :)

      Beijocas!

      Eliminar
    4. A peça nunca vi, EMATEJOCA! :)

      Eliminar
    5. Ora aí concordo inteiramente contigo, SÃO! Se é Shakespeare, que seja Shakespeare, não uma atualização vagamente parecida, com a Julieta a mascar pastilha elástica e outras modernices... E o mesmo se diga com outros autores clássicos: raramente essas novas encenações melhoram o original, antes pelo contrário... :P

      Eliminar
    6. Ora ainda bem que sintonizamos nisso.

      Um dia destes apanho , por acaso(porque não dão informação) , em directo do Scala de Milão e também no Mezzo "Carmen" de Bizet , que é uma das óperas que mais vezes tenho visto. Fiquei espantada com a cenografia e tudo aquilo, ,as não fui só eu.: no fim, houve uma pateada de todo o tamanho !

      Abraços

      Eliminar
    7. E certamente foi uma pateada bem dada, São: Como te digo, considero que qualquer atualização/adaptação a outra época, etc. tem de ser muito bem feita, quando não resulta estranha e não beneficia em nada o original... ;)

      Abraços!

      Eliminar
  5. Vi o filme no dia da estreia e fora a boa interpretação de Cate Blanchet achei a história para lá do banal!
    Tanta mulher que se vinga assim do marido que a trai...
    Até mulheres de políticos portugueses!
    Não sei se ficaram apanhadas da cabeça como a Jasmine! :-))

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vinganças de mulheres e maridos são uma banalidade nos dias que correm, penso que a originalidade está em esta ter ficado apanhada da cabeça. Mas mesmo assim, vendo bem, se calhar não é caso único, ROSA... :)

      Abraço

      Eliminar
  6. Vi o filme. Gostei imenso da interpretação de C. Blanchet. Não o considerei tão bom como Meia-Noite em Paris.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Suponho que toda a gente adorou Cate Blanchet no papel, CATARINA! Mas o filme é o mais "pobrezinho" dos últimos anos e nem estou a referir a parte cénica da questão... ;)

      Eliminar
  7. Não vi ainda o filme. Sou admirador dos filmes de Woody, e ultimamente as duas comédias ligeiras "Midnight in Paris" e "To Rome with Love" são muito boas, principalmente a primeira. Quero ver se vejo !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vá, RICARDO, mas na minha modesta opinião este filme não se compara nem vagamente aos dois filmes que menciona... ;)

      Eliminar
    2. Teté é de Teresa :), não gosto de diminuitivos !!! Então cá vai,... Teresa até acredito que possas ter razão, mas eu como cinéfilo, primeiro quero ver e depois até poderei vir a concordar contigo.
      Aliás o "Midnight in Paris" surpreendeu-me muito na positiva.

      Eliminar
    3. Certamente, RICARDO! O Carlos também me avisou e fui ver à mesma... :)

      Ao contrário de si gosto de diminutivos e desse que me ficou de criança... até hoje. Mas cada um é como é! :)

      Eliminar
  8. Banal e por vezes até pueril, Teté.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É, CARLOS, já tinha avisado, mas às vezes sou mesmo "ver para crer"... :)

      Beijocas!

      Eliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)