terça-feira, 6 de outubro de 2009

A DANÇA DAS CADEIRAS

Uma amiga minha recebeu da sogra uma série de cadeiras "estilo não-sei-das-quantas" quando casou, que pertenciam a uma colecção familiar, com a nobre intenção de poupar gastos aos noivos nessa matéria.

Mas - há sempre um, não é?! - as ditas cadeiras tinham as perninhas assim estilizadas como as da foto (tirada da net), sem as traves entre as pernas e sem aquele nó. E o noivo era homem alto e forte, alguns amigos do casal também, de modo que em menos de um ano não sobrou uma para amostra: partiram-se todas!

Com essa experiência alheia, quando escolhemos a mobília de casa de jantar insisti com o vendedor que tanto a mesa como as respectivas cadeiras deviam ser fortes, de madeira maciça, para não termos a chatice de andar a levantar familiares e amigos do chão, podendo eventualmente aleijarem-se no tombo. Garantiu-me que duravam "uma vida"! Aldrabão!!! Nada dura tanto tempo...

Resumindo: 19 anos depois estão todas desengonçadas, algumas com os encostos partidos e colados, este fim de semana lá foi a minha vez de ajudar uma amiga a levantar-se, após uma aparatosa queda em câmara lenta, quando "recostou" as costas e as pernocas da cadeira desconchavaram! Felizmente não se magoou e ainda nos rimos! (restou a nota mental: se não trato do assunto urgentemente, qualquer dia ainda passo pela vergonha da malta trazer a própria cadeira ou banquinho, para não correr riscos...)

post-sriptum - as respostas para a "adivinha" de ontem seguem dentro em breve, obrigada Teresa (do blog Ematejoca Azul) pelo esclarecimento das dúvidas!

13 comentários:

  1. Essas quedas, quando o pessoal não se aleija, sempre dão para rir, mas é melhor deixares o blogue por hoje e tratares disso... já!!! Ou então cola um cartazinho nas cujas ditas advertindo dos perigos que para a saúde pode comportar o seu uso. Assim já não te podem reclamar. `_^

    ResponderEliminar
  2. As quedas é que não é nada bom! Mas as cadeiras já viraram patrimonio imbolizado da família...E isso é bom não é? Dá um pena deitá-las fora!!!
    :)
    Pelos vistos não foi sou eu quem mudou a cara do blog né?
    O feriadão inspira-nos!
    kkkk
    Boa semana

    ResponderEliminar
  3. já pensaste em adoptar mobiliário chinês?

    ResponderEliminar
  4. Se uma dessas foi a usada pelo Botas, Teté, por que não vendê-la ao Museu de Santa Comba Dão?

    ResponderEliminar
  5. Ui! Essas cadeirinhas para as canelas negras devem ser do melhor que há! LOL!

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  6. Ninguém reclamou, SUN, mas essa sugestão dos cartões nas cadeiras "doentes" está muito bem vista! (`_^)
    Vou escrever: "não sentar!" (podendo ainda adicionar: "este mono está aqui a fingir que ainda temos cadeiras...")

    Não mudei a "cara" ao blog, MYLLANA, só alterei a frase lá do topo, que estando a laranja se nota mais! :)
    Boa semana para ti!

    Estava mais a pensar no japonês, VÍCIO!!! :))

    ResponderEliminar
  7. Parabéns porquê, MOYLITO?! :-/

    Se fossem para oferecer, CAPITÃO, seria a vivos e não a mortos, certo? :e

    Cá para mim são melhores para traumatismos vários, que não se resumem a canelas, MATCHBOX32! :D
    Beijinhos!

    Achas que vão aceitar a minha reclamação na loja, LOPESCA?! :))

    ResponderEliminar
  8. Tens um casamento que já durou mais que a mobília e isso, para mim, merece uns enormes parabéns:D

    ResponderEliminar
  9. Ah, MOYLITO, estava a ver que era por fornecer mobílias decrépitas aos visitantes... :D

    ResponderEliminar
  10. Já parecem as cadeiras da minha sogra!

    ResponderEliminar
  11. Também têm pernas fininhas, PAULOFSKI? As cadeiras, não a sogra, claro! :)

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)