quinta-feira, 14 de outubro de 2010

SONHOS E PENAS

Fotografia de Ian Britton

A Arminda veio para Lisboa estudar aos 18 anos, deixando para trás as terras nortenhas que a viram nascer e a mãe que trabalhava no campo, enquanto o pai emigrara para França para dar um futuro melhor à sua família. Alegre e simpática, ciente que os  pais se sacrificavam para lhe oferecer melhores oportunidades que eles próprios tiveram, determinação e empenho não lhe faltavam. E imensos sonhos, como só os muitos jovens conseguem ter!
Apesar de não conhecer ninguém na capital, conseguiu alugar um quarto perto da Faculdade, fazia as suas refeições nas cantinas universitárias e até encontrou uma antiga colega de liceu a viver em condições idênticas, que a acompanhou naqueles primeiros dias. Um mar de rosas (embora a comida das cantinas não fosse lá essas coisas, na época)...
Como os sonhos às vezes se transformam em pesadelos, uma quinzena depois, a dona da casa onde se alojara "despejou-a" no meio da rua, alegando que ela fazia "olhinhos" ao seu companheiro. A ciumenta trintona nem lhe devolveu o montante da estada já paga e, assim, Arminda viu-se abandonada na cidade com a sua  maleta, sem dinheiro suficiente para pagar novo alojamento. Sem saber o que fazer, seguiu para a universidade, onde conseguiu que lhe guardassem a mala na sala da Associação de Estudantes. Esta não tinha solução para o seu caso, nem a amiga a podia ajudar. Assistiu às aulas alheada, enquanto tentava desesperadamente resolver o problema na sua cabeça. Ainda que de um modo vago, pensou que se se escondesse por lá ninguém iria notar. 
Nunca se sabe como os acasos acontecem, mas Olinda notou o seu nervosismo e, mesmo sendo uma colega tão recente, perguntou-lhe o motivo. Ela explicou. Decidida, declarou que "na rua não podes ficar!" Pediu que esperasse um momento, enquanto foi telefonar à mãe (não existiam telemóveis na altura). E voltou, de olhos brilhantes, assegurando que a sua mãe as ia buscar... Nos dois meses seguintes Arminda viveu na casa de ambas, que ainda a ajudaram a encontrar um lar condigno para se alojar.
Por muito tempo que passe, há histórias que nunca se esquecem. E esta, para mim, é uma delas, que a própria protagonista me contou emocionada, poucos anos depois...

16 comentários:

  1. fizeste-me lembrar dos lamentos de um colega que tem o filho na faculdade de farmácia e por estar a 40 kms de casa tem que pagar alojamento ao filho e as viagens ao fim de semana serem "patrocinadas" pela viatura da mãe do moço.
    acho que ele não sabe o que é um comboio...

    ResponderEliminar
  2. Tété
    Eu entendo muito bem esta estória. Também se diz que dos fracos não reza a história, logo essa menina, provavelmente hoje bem instalada na vida, sabe já com cquantos paus se faz uma canoa.
    Sei o que ela terá sentido pois eu, nos meus tempos de menino e moço, algures no estrangeiro, só e desprotegido, conheci algumas pontes e entradas de metroplitano que me serviram de residência.
    A vida tem destas coisas.
    Beijinhos amiga

    ResponderEliminar
  3. Admiro a Arminda pela atitude de não falar com os pais, apesar da gravidade da situação. Se desenrascou sozinha com a ajuda de uma amiga.
    De certeza que deve ser uma grande mulher.
    São lições de vida para alguns jovens de hoje.

    Beijinhos Teté :)

    ResponderEliminar
  4. Que dizer?
    Olha, um fim-de-semana pleno de saudinha...

    ;)

    ResponderEliminar
  5. E a menina não voltou à casa da senhora que a despejou, assim só para lhe meter um rato morto na caixa do correio, já em avançado estado de decomposição?

    ResponderEliminar
  6. Pois, VÍCIO, hoje em dia eles não sabem o que é comboio ou sequer transportes públicos. E a culpa disso muitas vezes é dos papás... :p

    ResponderEliminar
  7. Não tenho notícias dela há anos, KIM, mas disseram-me que está bem, sim! :)

    E sim, provavelmente aprendeu muito mais que muitos de nós, que tínhamos a vida mais facilitada. Aprender no "duro" às vezes abre novos horizontes... ;)

    Beijinhos, amigo!

    ResponderEliminar
  8. Lições de vida que os jovens de hoje se recusam a aprender, CAPRICHO, já que querem tudo facilitado! Se antigamente quase todos os alunos iam de transportes públicos, hoje não há lugar para estacionar em frente às faculdades... ~xf

    E ela não telefonou à mãe, para não a preocupar: além de estar longe, possivelmente também não lhe poderia valer!

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  9. Boa saudinha para ti também, REIZÃO, embora ainda "falte um bocadinho assim" para o fim de semana... :D

    ResponderEliminar
  10. Que saiba não, RAFEIRITO, mas lá que a fulana merecia receber um "bónus" desses, também concordo!!! :e

    ResponderEliminar
  11. Discordo com o Rafeiro! Um rato morto? O que é isso? Uma rata bem viva!!!

    ResponderEliminar
  12. Como às vezes um mar de rosas se torna num mar de espinhos. Felizmente que nesse oceano de desilusões Arminda encontrou uma verdadeira amiga.

    ResponderEliminar
  13. Entendi a ideia, SUN: viva, grande e preferencialmente esfomeada... :e

    ResponderEliminar
  14. "A friend in need, is a freind indeed!", dizem os ingleses com razão, PAULOFSKI. :)

    ResponderEliminar
  15. e ela não pegou fogo à casa? se eu fosse assim expulso deixava despesas a fazer. não perdoaria. vá lá, ainda se vão aproveitando algumas pessoas. poucas, mas vai havendo.

    ResponderEliminar
  16. Coitada, estava tão atarantada que nem se lembrou de vinganças, MOYLITO! Mas que a mulher merecia ter entrado em (grandes) despesas, lá isso concordo! :-w

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)