segunda-feira, 31 de outubro de 2016

A MÃE BIOLÓGICA DE MARILYN

Em exibição no teatro Armando Cortez até ao próximo dia 20 de Novembro, o programa desta peça reza o seguinte: 
"Marilyn Monroe chega uma noite a Gainsville, na Flórida, à casa onde a sua mãe biológica, Gladys Baker, uma mulher mentalmente enferma, vive na companhia de uma cuidadora, a jovem Lydia Martinez.
Estamos no Verão de 1962, pouco antes da morte da diva do cinema.
O jogo das identidades entre estas três mulheres deflagra diante de nós e descobrimo-nos a testemunhar um evento cénico que nos seduz num crescendo emocionante de enigmas que aguardam resolução.
E se a morte de Marilyn estivesse relacionada com o assassinato do Presidente John Kennedy?
E se a mãe de Marilyn Monroe não fosse a verdadeira mãe da diva do cinema?
E se o que você estivesse a ver não fosse exatamente o que parece ser...?"

Curiosos? Então calcem as vossas tamanquinhas e rumem ao teatro, que é sempre uma excelente sugestão para assistir a um espetáculo diferente - no caso, de 5ª a Sábado, às 21h30m, ou ao Domingo, às 18h. Vão ver que não se arrependem...

Paulo Sousa Costa encena a peça escrita por Armando Nascimento Rosa e interpretada por Maria Emília Correia, Núria Madruga e Sara Salgado.

Imagem da net.

17 comentários:

  1. Parece-me ser interessante este enredo, pena estar longe.

    Beijinhos Teté

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, para muitos não ficará em caminho, MANU. Mas é pena! ;)

      Beijinhos

      Eliminar
  2. Uma boa sugestão e também uns bons kms.

    Beijinho Teté.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É, para ti fica longe, ADÉLIA! ;)

      Beijinho

      Eliminar
  3. Um bocadinho longe para mim....
    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito longe mesmo, PEDRO! ;)

      Beijocas

      Eliminar
  4. Vi uma 'amostra' na televisão e achei muitíssimo interessante essa peça de teatro, onde o elenco se resume a três mulheres- Qual delas a melhor a representar o seu papel.:)

    Boa partilha; publicitar o Teatro, precisa-se, Teté. Obrigada!

    Beijocas! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois,no teatro a coisa funciona como se fosse uma equipa, JANITA: se a coisa falha em algum lado, falha o resultado final... ;)

      Aqui não é o caso.

      Beijocas

      Eliminar
  5. Querida Teresinhamiga

    Depois do "aperitivo" que me serviste, apenas esteja melhor da perna e consiga conduzir estou lá caído. Muito obrigado.

    Bjs da Raquel e qjs do Henrique, o Leãozão

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As melhoras para ti, LEÃOZÃO! ;)

      Eliminar

  6. DROGADO JOVEM OU JOVEM DROGADO
    Acabo de publicar na NOSSA TRAVESSA um novo textículo de minha autoria que tem como título DROGADO JOVEM OU JOVEM DROGADO que se passa num RESTAURANTE-BAR (tasco) no qual retomo a linha neorrealista que tantas/os leitoras/es apreciam. Oxalá o mesmo se passe com este. Nela, e como lhe compete, o vernáculo reina, sem pejo, nem falsos pudores.

    Henrique, o Leãozão



    ResponderEliminar
  7. Obrigado pela sugestão, Teté. Adoro teatro e vou por na minha lista.
    Beijinhos e bom Fds

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também quero muito ir ver "As árvores morrem de pé", mas ainda não houve oportunidade. CARLOS! ;)

      Beijocas

      Eliminar
  8. Não sei se vou a Lisboa entretanto... Mas parece-me bem. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, às vezes não dá para tudo, LUISA... ;)

      Eliminar
  9. Respostas
    1. Já fui, LOPESCA. Não ia falar da peça sem a ver... :)))

      Eliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)