quarta-feira, 28 de maio de 2014

GRACE DE MÓNACO

Já se adivinhava que o filme era fraquito - a IMDb atribui-lhe a classificação de 5.6/10 - e não tinha grande credibilidade histórica: os filhos da princesa contestaram vivamente a veracidade do argumento. Mas, caramba, com a falta de títulos interessantes a estrear nas salas de cinema, porque não arriscar? E só para ver aqueles vestidos fabulosos que tinham metros e metros de tecidos, sedas e tules, para além das coroas, tiaras, pérolas e restantes jóias que compunham o ramalhete a toilette da elegante princesa, pronto, já vale a pena dar o gosto à voyeurista que há dentro de cada mulher... nestas coisas. Afinal os vestidos glamorosos nem foram assim tantos, mas não faltaram os trajes de passeio, os fatos saia casaco, os chapéus e todos os acessórios daquele início dos anos 60. E uma Nicole Kidman a parecer-se muitíssimo com Grace Kelly, graças à maquilhagem, penteados e vestuário, segundo própria. 

A história? Pois, decorre entre o final de 1961 e outubro de 1962, altura em que Grace já era casada com Rainier III do Mónaco e era mãe de dois filhos (Stéphanie só nasceria mais tarde), e pondera regressar a Hollywood a convite de Hitchcock, para protagonizar "Marnie". Entretanto, o general de Gaulle pressionava o príncipe para acabar com o paraíso fiscal no principado e a pagar uma compensação à França pela fuga de muitas empresas e milionários para lá. Daí Grace ter abdicado de voltar ao cinema, pois a sua ida poderia ser considerada uma fuga e com isso prejudicar o principado, deixando Rainier mal visto. Isto, claro, segundo o argumento ficcional e inexato do filme realizado por Olivier Dahan. Pelo meio ainda umas traiçõezitas que não vou revelar, para não tirar o interesse a quem pense ir ver. Para já, podem ver o trailer:


A Tim Roth não há maquilhagem que o safe e o torne parecido a Rainier... E se a história tem ou não um fundo de verdade é irrelevante, pois o general francês nunca invadiu o principado. E os eventuais traidores, enfim, já todos (ou quase) morreram, mas mesmo que não fosse o caso, who cares, depois de mais de meio século? Politicamente, temos muito mais com que nos preocupar agora...
    
Imagem da net.

23 comentários:

  1. ~ Eu também não concordo que se use o nome, o status, a simpatia, o caráter de pessoas que até viveram recentemente, para fazer histórias de ficção. Os principes têm razão e pergunto-me a razão porque não foram mais longe, na defesa da imagem da mãe.

    ~ ~ ~ Beijocas. ~ ~ ~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ~ ~ Não me faltou ~ r a z ã o ! ~ ll:))

      Eliminar
    2. Para ser franca, suponho que seria inútil irem mais longe, MAJO: logo no início dizem que o filme é ficção e Hollywood costuma safar-se sempre bem com essa "desculpa"...

      E não, não te faltou razão! :)))

      Beijocas

      Eliminar
  2. Tim Roth é um bom actor, mas nunca me passaria pela cabeça vê-lo como Rainier!

    Mas acho que De Gaulle está muito parecido, não está?

    Eu estava para ir ver o filme hoje, mas com muitas dúvidas, porque detestei o que fizeram sobre Diana e o romance vivido com um médico indiano ( a actriz nem com maquilhagem lá chegou e , de vez em quando, lá se lembrava de que a princesa olhava por baixo ....coisa que , aqui entre nós,detesto).

    Enfim, parece que desisto

    beijinhos e obrigada pela opinião

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tim Roth não tem nada a ver com Rainier, SÃO. O De Gaulle dá uns ares, sim, o Onasis e a Callas também, mas ele não se parece mesmo nada. Ao contrário, a Nicole consegue ficar muito parecida com a Grace... :)

      Beijocas

      Eliminar
  3. Hoje de manhã, uma familiar telefonou para saber se festejo o meu aniversário, e eu respondi-lhe que não penso festejar.
    No dia do meu aniversário quero ir ao cinema para ver o filme da Grace Kelly.
    Ela disse-me que me vou arrepender, porque o filme é péssimo.

    Até que ponto o filme mostra a verdade, não sei.
    Li numa biografia que a Grace era uma mulher infeliz, que bebia e que tinha vários casos amorosos.
    Nunca compreendi, porque é que ela casou com o Rainier.

    Beijinhos verdadeiros!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ouvi num documentário Oleg Cassini afirmar que Grace lhe dissera algo com " Eu amo-te, mas vou casar com Rainier, porque me dará estabilidade e aprenderei a amá-lo".

      Conforme imagnias não te posso confirmar a veracidade das palavras do senhor...

      Mas acho que ela não foi feliz, não...e Rainier oenso que também não : estes casamentos de conveniência são sempre desastrosos. Veja-se o do do filho de ambos!

      Parabéns pelo teu aniversário e se fores mesmo ver o filme , depois diz o que achaste, sim?

      Fica bem, Ema

      Eliminar
    2. EMATEJOCA, o filme só decorre durante um curto espaço de tempo, cerca de uns 6 anos, contando com flashbacks, não insinua nada de romances, antes ou depois do casório, nem sobre copofonia. Já feliz, ela não parecia ser muito...

      Insinua, sim, que Rainier foi aconselhado a casar com ela, mas deve ser disparate: "obediente" como o Carlos de Inglaterra deve haver poucos... :P

      Depois diz se gostaste!

      Beijinhos sempre verdadeiros, mesmo que virtuais! :)

      Eliminar
    3. SÃO, lamento responder tão atrasada, porque o aniversário da Ematejoca não foi neste dia, mas sim três dias depois - a 31 de maio - e podia ter-te avisado. Sorry!

      Diz que esse tal Cassini foi noivo dela, mas acredito pouco nessa "declaração". Mesmo que ela a tivesse feito, um verdadeiro cavalheiro nunca andaria por aí a alardear as suas palavras, de modo que cheira de longe a gabarolice gratuita... :)))

      Mas concordo contigo, estes casamentos reais com a pessoa "indicada" não são lá muito felizes. A julgar pelas famílias reais europeias, onde os divórcios são cada vez mais normais...

      Eliminar
  4. Ando de tal forma preguiçosa que nem ao cinema tenho ido mas quero ver este para me certificar do que toda a gente diz! :)

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É, foi mais ou menos essa a onda, ROSA! :)

      Abraço

      Eliminar
  5. Ela era linda e a Nicole também é mas talvez menos....estou curiosa. Pelo que nos é dado ver são quase sempre bem infelizes eu diria que lhes sai o tiro pela culatra!
    A ver se não perco estou curiosa mas sem grandes expectativas:)
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É mesmo melhor não ter grandes expectativas, PAPOILA! :)

      li uma entrevista da Nicole em que ela diz que é muito diferente da antiga princesa, mas lá que fica parecida com a maquilhagem, fica... :)

      xxx

      Eliminar
  6. Estava a pensar ir ver mas, depois de ler o seu post, não sei não...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É, CARLOS, julgo que não será filme para si... :)

      Beijocas

      Eliminar
  7. Um filme que não me desperta a mais pequena curiosidade.
    Polémica para vender facilmente.
    Enlatados?
    Não, obrigado!
    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Imagino que não, PEDRO! E mesmo nos "enlatados" deve de haver coisas a que ache mais graça... :)

      Beijocas

      Eliminar
  8. Este não me chamou a atenção, mesmo até gostando da história da Grace Kelly... O glamour e a Nicole Kidman também não foram motivo para me levar ao cinema. ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois eu aproveitei a companhia da "mummy" lá fomos nós, TONS DE AZUL! Mas claro que há filmes muito melhores, embora este se veja - também não é de molde a sair da sala a meio ou coisa! :)

      Eliminar
  9. Também quero ir ver só pela beleza e pelo luxo... Ela era lindíssima e a Nicole Kidman também é.

    Obrigada pela opinião. Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também as acho a ambas lindíssimas, GRAÇA! :)

      Beijocas

      Eliminar
  10. não vi mas, também ouvi dizer que era fraquinho...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É, sim, TÉTISQ, mas também já vi filmes piores com muito melhor pontuação... :)

      Eliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)