quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

A MISTERIOSA MULHER DA ÓPERA

"Um desafio. Sete autores. Catorze mãos. Sete personagens inesquecíveis. Uma única história.", resume a contracapa deste livro. Afonso Cruz, Alice Vieira, André Gago, Catarina Fonseca, David Machado, Isabel Stilwell e José Fanha são as mentes criativas que dão vida a personagens tão estranhas e pitorescas como Juvenal, um funcionário das Finanças que também é detetive nas horas vagas, Rogério, um playboy ricaço que gere à sua maneira um hotel algarvio, Kiki (também denominada Catarina a Grande, no passado) uma ex-modelo do jet set nacional, Sebastião (ou Roda, para as amigas) um ex-futuro-violinista que a certa altura perde o seu rumo, sua mãe, madame Nicolai, uma mulher de muitos talentos, Ninette, a rapariga apaixonada por Sebastião e que se torna violinista em vez dele e um tal de dr. Bobrov, um auto-intitulado psiquiatra de origens (e qualificações) muito duvidosas.

Difícil é caracterizar este enredo - diria que é assim uma espécie-de-romance-policial-crivado-de-humor - tão cheio de voltas, reviravoltas e cambalhotas, que às tantas estamos perdidos entre as avenidas de Paris e a rua Heróis do Quionga, ou entre o Teatro Nacional São Carlos e o Cais de Xabregas. E pior, nem sabemos como lá chegámos: se a nado, se de bote, iate ou cacilheiro!

E tentar adivinhar quem escreveu o quê e a que personagem dá "voz"? Isso imagino ser ainda mais difícil, mesmo para os fãs de alguns destes escritores. Certo é que resulta numa leitura alegre e bem divertida, prova cabal que em algumas mãos há teclados a fazer milagres...

CITAÇÕES:

"Avisei-o: cuidado, olha que, ao fim de meia dúzia de anos a trabalhar nas Finanças, qualquer um fica com um refluxo esofágico que dá para lhe envinagrar a vida até ao Inferno."

"O Hotel Mar do Sul tinha tudo para dar  certo. [...] O dono tinha recuperado uma casa de família que estava a cair de podre numa duna e conseguira autorização e subsídios suficientes para criar um dos primeiros hotéis «eco» da zona.
Por «eco» entendia-se basicamente que os chuveiros nem sempre tinham água, que alguns pratos podiam ter uma ou outra racha e que os telemovéis não apanhavam rede em lado nenhum, mas era um bom exemplo de virar as desvantagens a nosso favor."

"Por mim, acho que a realidade não pode ver nada. É uma invejosa. Vê uma boa história e plagia. Se há uma fantasia qualquer que ela gosta, reproduz."

"Dantes, uma dor de cabeça curava-se com aspirina. Mas o Bobrov diz que isso é cura de pobre, mas que para qualquer descendente (ainda que por afinidade) dos Nicolai, com trema no i, que deram não sei quantos marechais à França, a cura consegue-se com outro requinte: um panamá enterrado na cabeça e uma hipnose em cima de nós. Deve ser coisa que ele leu nos vinte e dois volumes de Freud que anda a traduzir desde que o conheço."

13 comentários:

  1. Não conheço mas, acho interessante livros que reúnem vários autores...

    ResponderEliminar
  2. SE encontrar compro, até porque estão aí pessoas que admiro...tenho pena de não terem convidado Mário Zambujal.

    Beijinhos e tudo de bom, linda

    ResponderEliminar
  3. ~ Tem tudo para ser uma leitura aliciante.
    ~ Fico feliz por saber que dispões de boa leitura e que andas entusiasmada.

    ~ ~ ~ Beijocas e um abraço muito amigo. ~ ~ ~

    ResponderEliminar
  4. Teté vim apenas deixar o meu beijinho.

    Com a morte da minha mãe a minha cabeça não está em condições de comentar.

    Desculpa, em breve voltarei

    ResponderEliminar
  5. Sinceramente, nunca tinha ouvido falar deste livro, mas o seu post despertou-me a curiosidade.
    Entretanto, estou a ler um policial psicológico de um dos meus autores favoritos (Richard Zimmler). Embora policiais não seja propriamente a minha praia, estou a gostar muito de "A Sentinela" mas, quando acabar escrevo um post com as impressões no On the rocks

    ResponderEliminar
  6. O post pirou-se sem os beijinhos :-)

    ResponderEliminar
  7. Desses autores, conheço apenas dois: Alice Vieira e Isabel Stilwell. Gostei das citações que nos induzem a querer conhecer/ler o livro.
    Abraço

    ResponderEliminar
  8. Ora aqui está uma boa sugestão para uma próxima compra!
    Beijocas

    ResponderEliminar
  9. Deve ser uma leitura bastante agradável, até porque gosto da maioria dos autores. Mais difícil será descobrir quem escreveu o quê, como bem referes. ;)

    ResponderEliminar
  10. Ando noutras leituras, eu que até gosto de policiais!

    Abraço

    ResponderEliminar
  11. A MISTERIOSA MULHER DA ÓPERA é um título cativante!

    Destes autores, conheço a Alice Vieira, da qual li um ou dos livros para crianças e algumas crónicas numa revista portuguesa, se não me engano, ACTIVA.

    Também já ouvi falr da Isabel Stilwell, mas nunca li nada dela.

    Boa noite, Teté, e continuação de boas leituras.

    ResponderEliminar
  12. Também eu, TÉTISQ. O exercício não deve ser fácil... :)

    Ou se calhar ele tinha outros projetos em mãos, SÃO, que nestas coisas nunca se sabe... :)

    O prazer de ler tem-me valido de muito nos últimos tempos, MAJO!

    Lamento a tua perda, FLOR DE JASMIM! Mas aqueles que amamos nunca morrem no nosso coração...

    Também estou a ler esse livro, CARLOS, por mera coincidência, já que é o primeiro que leio do escritor. Fico a aguardar a sua opinião... ;)

    Eles são todos mais ou menos conhecidos por cá, CATARINA. Quer dizer, por quem lê autores portugueses. Um deles só conhecia na faceta de ator... :)

    Sugestões de leitura nunca faltam por aqui, PEDRO! :)

    Consegui descobrir 3, TONS DE AZUL, mas nem de todos conheço escritos suficientes para lhes identificar o estilo... :)

    Ainda não parei de ler policiais este ano, ROSA, alguns sem saber que têm um enredo policial. Como no caso deste e do que estou a ler atualmente... ;)

    A Alice Vieira tinha uma crónica mensal na Activa, mas suponho que já não tem, EMATEJOCA! A Isabel Stillwell também escreve umas crónicas noutras revistas, mas nunca li nenhum livro dela...

    Beijocas e abraços para todos!

    ResponderEliminar
  13. Pensei que Isabel Stilwell se dedicasse apenas a romances históricos. Tenho Filipa de Lencastre mas tb li Catarina de Bragança, D. Maria II e D. Amélia. Talvez tivesse escritos outros que não conheça. Hei de procurar pelas suas crónicas.

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)