domingo, 5 de janeiro de 2014

12 ANOS ESCRAVO

Pelo título adivinha-se que se trata de um drama. Histórico, porque baseado numa história verídica. Solomon Northup (Chiwetel Ejiofor), um violinista negro, vive com a sua família no estado de Nova Iorque, como homem livre. Quando é contratado por dois homens ligados ao circo para tocar durante um número de magia, não desconfia das suas más intenções e, findo o contrato, os três homens vão jantar a um restaurante, onde estes o embebedam. Ao acordar já se encontra num calabouço, devidamente acorrentado e agrilhoado, e onde acabam por se juntar outros negros, igualmente raptados para serem vendidos nas plantações sulistas. O ano é o de 1841, a Guerra Civil Americana só se iniciaria vinte anos mais tarde. 

Nos anos que se seguem, Solomon, agora apelidado de Platt pelos seus "donos", trabalha em várias plantações, mas de alguma maneira consegue sobreviver, seguindo o conselho de um seu companheiro de cárcere: falando o mínimo possível, não dizendo que sabe ler e escrever e não confiando em ninguém. E fechando os olhos às atrocidades que vê diariamente. Mesmo assim, quando ao serviço de Ford (Benedict Cumberbatch) enfrenta um dos seus capatazes que o pretende enforcar, acaba por ser vendido a Epps (Michael Fassbender), o dono de uma plantação de algodão, que é meio louco e tem uma "preferência" por uma jovem escrava, Patsey (Lupita Nyong'o), que por sua vez é odiada pela senhora Epps. Sem ninguém em quem possa confiar, como poderá Solomon voltar para junto da sua família?

Um excelente leque de atores (praticamente desconhecidos, pelo menos para mim) nos principais papéis, um drama ainda mais tocante porque a escravatura não foi ficção, uma boa fotografia, fazem deste filme um dos mais nomeados nas principais categorias para os Globos de Ouro 2014 - e provavelmente para os Oscar também. 

Fiquem com o trailer:


Realizado por Steve McQueen (o segundo na história da sétima arte), está classificado com 8.6/10 na IMDb.

Imagem da net.

23 comentários:

  1. Ainda não vi o filme.
    Tudo o que li é favorável
    Esta em lista.
    Beijocas e votos de boa semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para quem gosta do tema, vale a pena, PEDRO!

      Beijocas e boa semana!

      Eliminar
  2. Também gosto muito do filme. Merece que seja galardoado com um prémio.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Suponho que vai ganhar mais que um prémio, se bem que ainda não tenha visto os outros, CATARINA! :)

      Eliminar
  3. Já tinha marcada "na agenda" para o ver. Este e outros, mas este especialmente, sobretudo pelo tema que trata. Veremos se não saio desiludido, mas as criticas são muito favoráveis.

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não vais sair desiludido, se bem que não seja propriamente novidade o tratamento que era reservado aos escravos, JP! ;)

      Beijocas

      Eliminar
  4. Este famigerado tempo tem-me tirado a vontade de ir além da zona restrita do bairro! :(

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E que bem te entendo, ROSA! :)

      Abraço

      Eliminar
  5. Acho muitíssimo bem que se comecem a fazer filmes sobre a escravatura.

    Esperemos que comecem também a fazer filmes sobre os índios nativos norte-americanos, ainda hoje em campos de concentração (sim, eu sei que lhes chamam Reservas...mas mesmo essa designação é ofensiva, na min há opinião)

    Um bom Dia de Reis, linda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa das reservas de índios americanos tem muito que se lhe diga, SÃO, porque tal como tu considero um eufemismo. Não será exatamente um campo de concentração como os nazis ou os russos, mas onde está a tão apregoada liberdade?!? Filmes sobre o assunto? Hummm... duvido, para já!

      Já passou, mas espero que tenhas tido um bom dia de Reis!

      Beijocas

      Eliminar
    2. São... e também já não são designados de “índios”! : )

      Eliminar
    3. Não são "índios" ?! Então, são o quê?!

      Aliás , o mesmo se passa com os aborígenes australianos....se é que ainda são assim designados, Se calhar também já lhe chamam outra coisa!

      Eliminar
    4. TETÉ, não são um campo de concentração exactamente, mas sim no sentido de falta de respeito pelo ser humano e de viverem em situações degradantes. Além disso, os nazis tinham dois tipos de campo: os de concentração e os de extermínio.

      Neste momento, Israel pratica o Apartheid sobre os não-judeus e encerrou os palestinianos em dois campos de concentração: Margem Ocidental e Gaza ( bombardeando-a até com o proibido fósforo branco, que podemos considerar um substituto das câmaras de gás...)

      Abeços

      Eliminar
    5. Pois é, CATARINA, era a esses eufemismos que me estava a referir. Muito associados ao "politicamente correto", meaning hipocrisia... :P

      Eliminar
    6. Pois é, SÂO, a falta de respeito pelo ser humano existe até nos países que se intitulam de "pais" da democracia! Quando falei em campos de concentração estava a falar em sentido lato.

      E concordo contigo: os israelitas praticam atrocidades sobre os palestinianos, sem que ninguém pareça reparar muito. Embora esses mesmos (dirigentes) palestinianos não sejam flor que se cheire, mas já se sabe que quem se lixa é o povo... E o problema não tem fim à vista!

      Abraço e beijocas!

      Eliminar
  6. Quero ver este filme, mas o tempo é tão pouco.

    Desejo-te também um excelente Dia de Reis, Teté!


    PS: Explico-te no "ematejoca azul" o título da imagem com os juízes, que achei tão engraçada!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O tempo é sempre curto, EMATEJOCA! Mas faz-se o que se pode... :)

      Desejo que o teu dia de Reis tenha sido fantástico!

      Também achei a imagem engraçada, não entendi foi o título.

      Abraço de Lisboa!

      Eliminar
  7. Muito grata pela sugestão, Teresa.

    Tenho a certeza que vou gostar

    Beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É necessário estar um bocado "in the mood" para um filme pesado, MAJO! :)

      Beijocas

      Eliminar
  8. Creio ser um filme que virá a ser candidato a alguns Oscares. No entanto, não me atrai neste momento, o género ! Demasiado pesado e realmente, neste momento não me sinto "in the mood" ! :)))

    Beijocas, Té ! :))
    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É, RUI, nem sempre apetece ver filmes pesados, percebo-te lindamente! :)

      Beijocas!

      Eliminar
  9. Um filme impressionante! Houve imenso momentos que me vieram as lágrimas aos olhos com a força das imagens. Também não conhecia os atores a não ser o Brad Pitt. Excelentes interpretações.
    Gostei imenso e é um grande candidato a ganhar uma estatueta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por acaso não me deu para chorar, TONS DE AZUL, mas impressionou-me bastante!

      As interpretações são realmente muito boas, mesmo que os atores não sejam dos mais famosos! :)

      Suponho que ganhará mais que uma... ;)

      Eliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)