domingo, 21 de setembro de 2008

FALTAM-ME AS PALAVRAS!


Já anteriormente escrevi aqui sobre uma amiga minha que perdeu o emprego no ano passado, aos 57 anos de idade. Porque o patrão vendeu a empresa privada a outro grupo, mas não vem ao caso. Pagaram-lhe a indemnização devida após 32 anos de serviço e, obviamente, inscreveu-se no Instituto de Emprego e Formação Profissional, enquanto recebe o subsídio de desemprego. Lógico que o IEFP não lhe arranjou nenhum emprego alternativo. Mais, afirmaram-lhe que não podia aceitar nenhum biscate ou part-time, porque perdia o direito ao dito subsídio. Não arriscou! Até porque quando o subsídio acabar poderá requerer a reforma antecipada, por já ter mais de 36 anos de descontos - quando regressou de Moçambique, já trabalhava há bastante tempo...

Divorciada, com filhos adultos encarreirados profissionalmente e nas suas próprias casas, levou a mãe para viver com ela, dado que a saúde da senhora de quase 80 anos sofreu vários abalos.

Entretanto, este ano preparava-se para ir de férias para casa de uma amiga, com a mãe, mas um funcionário do IEFP avisou-a que, primeiro, tinha de pedir autorização. Ao IEFP??? Que não lhe arranjou lugar nenhum durante um ano?! (esta não é de espantar, mas pronto!) Autorização vai, autorização vem, a mãe teve uma grave crise asmática e foi parar aos cuidados intensivos do hospital. Melhoras, pioras, lúcida, não lúcida, em coma. Durante dois meses! A filha a caminhar para lá todos os dias...

Morreu hoje! É neste momento que me faltam as palavras, porque perder a mãe é certamente uma infelicidade atroz, mas prolongar a vida para além dos limites físicos razoáveis... parece-me ainda pior!



Patxi Andion - "Palabras"

32 comentários:

  1. Duvido que ela tenha direito à reforma antecipada.

    O meu pai, numa situação semelhante, perdeu o seu emprego por falência da firma aos 52 anos. Apesar de ter 41 anos de descontos, por trabalhar desde os 11 anos, não tem direito nem à reforma nem à reforma antecipada. O facto de ter os 40 anos de descontos que lhe dão direito à reforma, não invalida que não tenha a idade de reforma.

    É novo demais para se reformar, velho demais para lhe darem trabalho.

    Para ter reforma antecipada, terá de apresentar razoes médicas que o impeçam de trabalhar.

    Hoje, aos 55 anos e três anos depois de ter ficado sem emprego, terá a hipótese de entrar na pré-reforma. Mas aqui surge outro problema. Ao entrar na pré-reforma recebe uma percentagem mensal da reforma a que teria direito, mas essa percentagem irá reduzir-lhe o valor da sua reforma quando atingir a idade prevista...

    Isto é Portugal no seu "melhor".

    Claro que em países como aquele em que moro (Alemanha), o facto de não trabalhar até à idade de reforma, reduz o valor da reforma drasticamente, mas aqui, quando se acabam os subsídios de desemprego, existe o subsídio social, em que o estado paga a casa e todas as despesas de manutenção (luz, telefone, condomínio, gaz, àgua) e lhes dá um subsídio de alimentação que ronda os 250 a 300 Euros. Ou seja, apesar de não ser muito, dá para sobreviver, mas em Portugal o subsídio de desemprego tem de chegar para tudo, despesas mensais e alimentação.

    A questão aqui, é:
    Porque raio passamos a vida a descontar se não recebemos nada em troca?
    Acho que está mais do que na hora de privatizar a segurança social por completo, como na maioria dos países desenvolvidos.

    Eu desconto tanto como descontaria em Portugal e tenho um ordenado muito superior, além disso a segurança social privatizada, dá-me acesso a todo o tipo de assistência médica, incluindo médicos de especialidade e dentistas grátis. O que nos dá em Portugal? Unicamente o desejo de não morrer na sala de espera de um hospital, com uma gripe.

    ResponderEliminar
  2. Realmente, não deve estar a ser nada fácil!
    Quando as coisas não estão bem, parece mesmo que tudo vem encalhar connosco...
    Quanto ao IEFP... nem vou começar a falar sobre isso!
    Força para a tua amiga.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  4. Muito triste e revoltante o que descreves.

    Em primeiro lugar um pouco de alento para a tua amiga :))

    Apesar de mtos opinarem que devíamos encarar a morte como o nascimento, acho que ninguém fica indiferente qdo chega a hora da partida dos que amamos, ainda que ela ocorra serenamente e não dolorosa ... é sempre muito penoso.

    ...........

    Intrigante e revoltante é tudo o que envolve a situação profissional da tua amiga. Como sou funcionária e nem eu nem ninguém próximo recorreu ao IEPF, desconheço como as coisas se passam.
    O que me intrigou mais e não entendi de todo, foi o facto de ser necessário "pedir autorização para se deslocar para passar férias fora da residência ... é isso?" Mas que estranho!!!

    "... Mais, afirmaram-lhe que não podia aceitar nenhum biscate ou part-time, porque perdia o direito ao dito subsídio. Não arriscou ..."

    Vejo muita lógica nisso e entendo perfeitamente. O que não entendo é que os politico o possam fazer. Mas todos sabemos que há portugueses de primeira e de segunda neste país de trampa!

    Quanto a poder pedir a refrorma antecipada, desconhecia que o pudesse fazer com apenas 57 anos, ou pouco mais, dado que o pensa fazer a curto prazo.

    Eu faço em Novembro 55 anos, tenho 40 anos de serviço e há muito que posso reformar-me, mas graças à nossa amiga ferreira leite, tenho 22% de penalização (cerca de 300€ líquidos).

    Contas feitas, decidi trabalhar pelo menos mais 2 anos.

    Jinho a ti
    Boa semana

    ResponderEliminar
  5. autorização para ir de férias? será que estar inscrito no IEFP é outro tipo de prisão domiciliaria?
    para quando as pulseiras electrónicas?

    ResponderEliminar
  6. Como está tudo dito, deixo cá um abraço para tua amiga e uma palavra podre para o sistema que não vou pronunciar de alto.

    Para ti um beijinho e que a semana melhore.

    ResponderEliminar
  7. Lamento muito minha querida, lamento pela filha que ficou sem a mãe, pela falta de emprego, eu ando na mesma e descontei pouco..e nemt enho direito a reforma por isso!... trabalho não se arranja com quase 57...que farei em dezembro.
    Olha para isso, não podia ir de férias coma mãe porquê, o inst do empr na deixava? preencher papelada, mas ao que chagamos nesta terra!... anda tudo maluco!... e o Governo e as suas instituições de caridade...caridade sim, ainda mais!...Um beijinho para ela, sentido, e outro para ti. laura.

    ResponderEliminar
  8. gostei d eler o crest, realmente é assim... Não é justo e devemos tentar negociar com os carapaus do governo e chegar a vias de facto só pelo facto que a lei é para alterar!... Beijinhos.

    ResponderEliminar
  9. Caramba... o IEFP compara os desempregados inscritos a arguidos em processos?? É que estes não se podem deslocar para lado nenhum sem darem conhecimento aos autos.

    Embora na verdade o IEFP me pareça pior, é que não basta dar conhecimento da morada onde podem encontrar a pessoa, é preciso que este autorize a deslocação!! Estou pasmada!

    Se bem que... desempregados a quererem férias?? Hummm pois... deve ser este o raciocínio.

    enxofre para a tua amiga

    ResponderEliminar
  10. Episódio lamentável e, infelizmente, cotidiano em muitos países. A concepção socialista da maioria dos países da UE capitulou ante o neo-liberalismo. Previdências públicas começam a soçobrar, como a da França, por exemplo, e de outros países, inclusive a de Portugal.
    Num futuro ainda não muito próximo, mas nem por isso, muito distante, haverá choro e ranger de dentes.
    Um beijo!

    ResponderEliminar
  11. CREST, ela pode pedir sim a reforma (não sei se pré ou não), porque na altura também já terá 60 anos. E sim, parece que lhe retiram uma percentagem, ou seja, não é completa, mas antes isso que nada...

    Em tempos vi um fulano escolher currículos para um cargo médio numa empresa, nem sequer olhava para as habilitações. Mulheres, de lado. Todos com 40 anos ou mais, também!

    Não sei se a segurança social privatizada resolvia o problema. Mas que o sistema assim é muito injusto, não restam dúvidas. E nem estou a falar daqueles que morrem à espera de cirurgias, de consultas ou nas urgências hospitalares, que isso dava outro post.

    ResponderEliminar
  12. POrtugal no seu melhor mesmo...cada vez tenho menos vontade de cá continuar. E não posso considerar que seja das que está pior neste país, mas só graças aos meus pais...

    Lamento pela tua amiga, tete. Concordo contigo. Prolongar uma vida que suspira pelo fim é horrivel, horrivel, horrivel.

    ResponderEliminar
  13. Concordo com o crest, a privatização da segurança social é cada vez mais urgente. Tal como das universidades. Tudo instituições que deveriam ser geridas como se de uma firma se tratassem.
    Andamos a descontar pra que?...

    ResponderEliminar
  14. esse prolongamento artificial da vida das pessoas não é amor é egoísmo puro e duro da nossa parte, que somos demasiado fracos para lidar com o inevitável.

    ResponderEliminar
  15. É mesmo, MATCHBOX31, às vezes parece que o mundo nos cai em cima... em marés de azar e assombração!
    Sim, haveria muito que dizer sobre o IEFP...
    (mais logo posto o teu marcador!)

    Bom, PASCOALITA, a senhora já estava em coma nos últimos dias, de modo que não teve sofrimento. Isso não impede que a filha sofra com a sua morte, se bem que simultaneamente esteja aliviada, porque estar a assistir a um prolongado agonizar destes, é duro!
    E sim, também não sabia que tinha de pedir autorização para se ausentar de férias. Aliás, nem ela! A ideia deve ser qualquer coisa do género de poder surgir um emprego (?!) e ela ter de estar a postos para começar a trabalhar no dia seguinte...
    Essa reforma antecipada (ou pré-reforma, não sei ao certo) pede quando tiver já 60 anos. Não é a 100%, mas dados os anos de desconto, parece que a alteração não é muito grande.
    Quanto às panelinhas dos políticos, entre eles, nem vale a pena falar...
    E sim, acho que fazes bem em continuar a trabalhar.
    Jinhos a ti (tenho impressão que te vi hoje em algum lado ;))!

    ResponderEliminar
  16. Olha, VÍCIO, também não sabia que hoje em dia é tipo prisão domiciliária... :S

    SUN, põe podre no sistema... (desta vez nem há caretas)
    Beijoca para ti!

    LAURINHA, parece-me incrível que um desempregado (com tempo q.b. para ir de férias) tenha de dar "satisfações" ao IEFP.
    Não me parece que negociações com os carapaus do governo dêem resultado. Eles lá se governam, mas estão-se nas tintas para o resto da populaça!
    Beijocas, nina!

    ResponderEliminar
  17. A ideia deve ser mesmo essa, DIABBA! Se já estão de "férias" o ano inteiro, para que é que precisam de mais?!
    Os arguidos nos processos que não cumpram essa regra até estão melhor, para subsistir não dependem do subsídio e lá se "amanham" à sua maneira...
    Beijoca!

    Lamentável por tudo, REI!

    Estás coberto de razão, OLIVER! O socialismo aqui já foi engavetado há muito tempo...
    Esse ranger de dentes devia soar bem alto e já!
    Beijo para ti também!

    ResponderEliminar
  18. Pois é, VAN! Mas o que é que se diz nestes casos? Ainda bem que a tua mãe morreu, que esta agonia prolongada não era para ela nem para ninguém? É que não deixa de ser desgosto, né? A somar aos restantes... que não sendo tão dolorosos, chateiam q.b.
    Jinhos!

    MOYLE, pois, mas se a senhora melhorasse? Enquanto há vida...

    ResponderEliminar
  19. Palavras para quê.....????

    Tenho um amigo que tem um cancro, 50 anos, 34 anos de descontos, e foi-lhe dada a invalidez ou seja 50% do que ele receberia se fosse reformado!!!!!!!
    Que mais te posso dizer......quando se tem o dobro dos gastos devido a doença, a fragilidade de ter de depender de alguem devido aos tratamentos.....etc....etc....e dão 50%!!!!!!!!
    Parabens a ele que faz hoje 51 aninhos e já anda melhor, pelo menos já anda pelo proprio pé.

    Beijinho grande para ti e para a tua amiga a maior força.

    ResponderEliminar
  20. Já dei os parabéns ao nino lá no teu cantinho, PARISIENSE, mas espero mesmo é que ele melhore, que neste País estar doente é do pior!

    Jinhos a ti!

    ResponderEliminar
  21. claro teté, mas estamos aqui a falar para lá dos limites do razoável.

    ResponderEliminar
  22. Claro, MOYLE, mas mesmo assim às vezes é difícil discernir se é razoável ou não prolongar a vida. É que o critério tem de ser caso a caso, não se pode generalizar "tem mais de 80 (por hipótese), fecha-se a máquina!"

    Enfim, nalguns casos é muito claro, e aí sim, a família às vezes fica a esperar um milagre e egoisticamente a prolongar a agonia...

    ResponderEliminar
  23. A vida está.nos sempre apregar partidas.
    Um bj e um sorriso bem grande, porque tem que drar até que volte novamente.

    ResponderEliminar
  24. Há muito tempo que não ouvia, boa escolha!

    Bjs

    ResponderEliminar
  25. Há tanto tempo que não ouvia esta música! Gostava imenso dela, e continuo a gostar...
    Quanto à história do IEFP é verdade sim senhora porque passei por isso o ano passado. O pior é que o pedido de autorização tem de ser feito com 30 dias de antecedência (!). Eu esqueci-me e arrisquei... não aconteceu nada, tive sorte. Não ia concerteza deixar de ir de férias (tinha tudo marcado) por causa da "maravilha" de subsídio que tinha.
    Mas eu sei que sou uma privilegiada e me posso dar a esse "luxo"...
    Não acredito na privatização da segurança social, aliás sou contra! Nem 8, nem 80! Havia de ser bonito num país como o nosso...
    Perder a Mãe... o quê que se pode dizer... seja com 60, 70, 80... nunca é fácil. É daquelas coisas terriveis por que todos teremos de passar...

    ResponderEliminar
  26. pois, precisamente, não uma regra que se aplique. e infelizmente não fazemos a mínima ideia sobre se estamos a fazer bem. enfim, o que conta é a sensibilidade das pessoas, porém, é isso mesmo, a insensibilidade das pessoas leva-as a prolongar não a presença mas o sofrimento dos que amam.

    ResponderEliminar
  27. Então não está, JASMIM? E algumas bem desagradáveis...
    Obrigada pelo sorriso! :)*

    É, ANINHAS, não está muito na berra, actualmente!
    Jinhos!

    INÊS, essa da autorização de férias, para mim, foi uma enorme surpresa.
    Nem fazia ideia que era com 30 dias de antecedência (nem perguntei, com esta evolução toda)!
    E tens razão, nunca há palavras para "consolar" a perda de uma mãe...
    Beijo

    ResponderEliminar
  28. Aí estamos os dois de acordo, MOYLE! Prolongar a presença também prolonga o sofrimento (de todos).

    ResponderEliminar
  29. Então, esta fotografia também é tua... gosto muito!

    bjs

    ResponderEliminar
  30. Eu sinto muito por isso.
    :(

    ResponderEliminar
  31. A foto é minha sim, ANINHAS, mas a "inspiração" de fotografar reflexos de luz na água, vi num fotógrafo profissional...
    Beijocas!

    É, KÁTIA, de vez em quando parece que somos apanhados na tal da bola de neve. :S
    Jinhos, nina!

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)