domingo, 13 de novembro de 2016

O MAGUSTO QUASE IMPOSSÍVEL

Depois de uma semana absolutamente estranha - a inesperada eleição presidencial de Trump,  a entrega às autoridades de Pedro Dias (depois de 28 dias a "monte" entre Arouca e Aguiar da Beira) e a morte de Leonard Cohen (de quem nunca fui especialmente fã, mas alguns amigos chegados eram e ficaram tristíssimos - o facebook encheu-se de lugares comuns e R.I.Ps. sobre os 3 casos. Não há paciência para esta carneirada...

Mas a algumas conclusões também cheguei: o mundo tornou-se um lugar ainda mais perigoso; apesar das incongruências do suspeito agora preso, a história da morte dos GNR ainda está mal explicada; por muito que custe, os ídolos da música também morrem, vale que a sua obra fica!

Foi com este espírito um pouco triste e irritado, que sexta-feira resolvemos festejar o magusto, com umas castanhinhas e uma jeropiga. Qual não foi o nosso espanto quando andámos seca e meca para encontrar a garrafa de jeropiga - os supermercados de bairro e do "povo" aqui da zona, em cujas prateleiras não faltam garrafas de Moet et Chandon ou de whiskys velhos carrérrimos, não tinham nem uma garrafinha da popular jeropiga para amostra. Onde encontrei? Numa garrafeira do comércio tradicional. E a essa hei de voltar, pois tem um serviço que os ditos supermercados não têm  - aconselhamento pessoal sobre os produtos comercializados.

BOM DOMINGO e BOA SEMANA!
(pelo menos, com menos"irritações"...)

19 comentários:

  1. É um país de ricos, só bebemos Moet Chandon :)))
    Eu por acaso "dediquei-me" a um bom vinho tinto que gosto mais do que de Jeropiga.
    Bjs

    ResponderEliminar
  2. Cá, na província, parece que os supermercados ainda têm jeropiga.Pelo menos o colega que a foi comprar para o nosso lanche-magusto não teve dificuldade em encontrá-la.

    ResponderEliminar
  3. Ah... queria dizer-te ( e já me ia esquecendo) que o pequeno arco-íris não tem truque nenhum. Imagina que o apanhei nos jardins da Gulbenkian, da última vez que fui a Lisboa. Formou-se com o sol que refletia numa placa informativa acrílica. Como vês, algo bem banal. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É, Luisa, às vezes é mesmo a sorte do momento. O que não tira quea fotografia esteja fabulosa... :)

      Eliminar
  4. Uma semana bem estranha, tens razão. A eleição do Trump deixou-nos de alguma forma em choque... O que esperar?! Enfim. Veremos.

    Beijinhos e boa/melhor semana.

    ResponderEliminar
  5. Hoje também comi castanhas a saber a esturro!!! Coloquei-as num tacho para cozer, já que não tenho paciência para as assar e assadas por aqui não as vejo, vai daí, enquanto cozinhavam vim dar uma vista d'olhos aqui à blogo. Então não é que pensei ter colocado o lume no mínimo e ficou no máximo?

    Claro que a vista de olhos é sempre incalculável, perde-se a noção do tempo. Só quando me cheirou a esturro é que me lembrei das castanhas, cozidas/assadas e algumas esturricadas.
    Ainda aproveitei meia-dúzia, o pior foi o tacho que está ali no terraço com água e não sei se ainda terá serventia. Caraças! Desde que fico em casa aos Domingos queimo os tachos todos.
    As tuas estão aí que fazem inveja!! :))

    Mas bebi vinho do Porto, que substituiu a jeropiga que também não havia. :))

    Beijocas, Teté, boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Janita, para tacho queimado (já me aconteceu duas vezes devido às olhadelas pelo blogue) tenho uma sugestão: pões água e vinagre dentro do tacho e deixa ferver durante alguns minutos. Retira do lume e com uma colher de pau raspa o fundo. Vais ver que fica bom.
      : )

      Eliminar
    2. Obrigada pela preciosa sugestão, Catarina. Ainda não está como era, mas ficou reutilizável.
      Mais uma ou duas vezes e deverá ficar de novo a espelhar.
      Sempre estamos a aprender! Bem-hajas. :)
      Um beijinho.

      Eliminar
  6. Este ano tb comi algumas (poucas) castanhas. Jeropiga nem ver.
    Bjos : )

    ResponderEliminar
  7. Eu gostei do S. Martinho. Abstraí. E boa semana também para si.

    ResponderEliminar
  8. Ainda não comi castanhas.
    Tenho que comer porque já apetece.
    Beijocas, boa semana

    ResponderEliminar
  9. Olá Teresa
    Uma semana bem estranha, tens razão! E a morte do Leonard Cohen foi a coisa que me deixou mais triste, nem sei porquê. Todos acabamos por morrer, e nem todos deixamos tanta coisa magnífica a atestar a nossa passagem por este mundo.
    Eu já comi castanhas com jeropiga! Mas no São Martinho, como sou do contra, comi chouriço assado ;)
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  10. Por essas e outras prefiro sempre o comércio tradicional.

    Quanto a Cohen , fiquei muito triste ... e cuidado quando dizes que não aprecias muito: já li no Facebook uma acusação de anti-semitismo por causa disso. Realmente a paranóia dos judeus é sem fim !!!!

    Da arrogante, machista e inculta sociedade dos EUA nada me surpreende embora esteja muito preocupada , principalmente porque a Europa está como está e com o risco de Le Pen ser eleita

    O fugitivo não me convence de todo e o tudo tem que ser bem explicado.

    Beijufas e boa semana

    ResponderEliminar
  11. Eu prefiro um bom tinto, mas este ano, mal provei as castanhas, fazem-me mal.
    Tenho sorte porque a 5 minutos da minha casa tenho uma boa mercearia.
    Espero que esta semana seja bem melhor, pelo menos o sol brilha por aqui.

    Beijinhos Teté

    ResponderEliminar
  12. Uma semana com alguma emoção!
    Acho assustador Trump e Steve Bannon na Casa Branca.

    Pedro Dias uma história com muito pano para mangas.

    Leonard Cohen chegou o seu dia como qualquer ser humano.

    Castanhas também comi assadas e com um tinto alentejano "Ouro do Monte", tenho um supermercado tradicional a 300 metros, que frequento e gosto muito, os legumes, a fruta têm outro sabor, são de cultivo de lavradores que conheço.

    Boa semana Teté, beijinho.

    ResponderEliminar
  13. Raras vezes escrevo posts sobre mortes, mas Leonard Cohen foi um dos meus ídolos de sempre e fiquei em estado de choque e coloquei mesmo uma canção dele que adoro.
    Já quanto a magustos e jeropigas, este foi o segundo ano em branco. O último de que tenho boa memória foi passado no Marvão.
    Finalmente, em relação ao comércio tradicional, dou-lhe toda a razão. Quer em Lisboa, quer no Estoril opto ( quase) sempre pelas lojas de bairro, em detrimento dos mini, médios, super e híper mercados. Gosto de ser bem tratado.
    Beijinhos e boa semana

    ResponderEliminar
  14. As eleicoes dos eua nem comento. Consegui comer umas belas castanhas!

    ResponderEliminar
  15. Obrigada a todos pelos vossos comentários,fico feliz que pelo menos em algumas partes do país a tradição ainda é o que era e muitos de vós conseguiram comprar a jeropiga sem dificuldade.

    Beijos e abraços para todos!

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)