sexta-feira, 21 de março de 2014

QUANDO

Costumo dizer que não aprecio poesia, o que não é inteiramente verdade: do que não gosto mesmo é de alguns versos que por rimarem amar com luar já fazem com que os seus autores se auto-intitulem de "poetas". Ou quando nem sequer rimam ou fazem sentido, mas dado o uso de palavras inusitadas e/ou pomposas já os versos são apelidados de "poesia". Ora ser poeta é muito mais que isso, como bem nos ensinaram Pessoa ou Florbela...

Certo é que os verdadeiros poemas nos tocam com palavras simples e as emoções que transmitem não costumam ser muito rebuscadas. Muitas vezes até parece fácil escrever igual ou parecido... mas não é! Essa é a poesia que realmente aprecio e que aqui deixo um exemplo, para comemorar o seu dia: 

Quando

Quando o meu corpo apodrecer e eu for morta
Continuará o jardim, o céu e o mar, 
E como hoje igualmente hão-de bailar
As quatro estações à minha porta.

Outros em Abril passarão no pomar
Em que eu tantas vezes passei,
Haverá longos poentes sobre o mar,
Outros amarão as coisas que eu amei.

Será o mesmo brilho a mesma festa,
Será o mesmo jardim à minha porta.
E os cabelos doirados da floresta,
Como se eu não estivesse morta.

Sophia de Mello Breyner Andresen, in "Dia do Mar" (1947)

BOM FIM DE SEMANA!

29 comentários:

  1. Também costumo dizer o mesmo, mas quem resiste a uma Sophia? Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não há NINGUÉM que resista à POESIA da "nossa" SOPHIA!

      Eliminar
    2. Ora aí está uma verdade com a qual estou pronta a concordar, CARLOS! :)

      Beijocas

      Eliminar
    3. Ninguém talvez seja um bocado exagero, EMATEJOCA, mas concordo de um modo geral, tal como já disse ao Carlos... ;)

      Eliminar
  2. Escolheste bem!

    Abraço poético, rrss

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, SÃO! A poesia que aprecio é "escolhida a dedo"... :)

      Um abraço sincero é sempre um poema!

      Eliminar
  3. Sou da mesma opinião.
    É o Jardim da Estrela?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, é o jardim das Amoreiras, CATARINA! Que é mais maneirinho... :)

      Eliminar
  4. Que bela escolha, Teté! E que bem fizeste a diferença entre escrever versos e escrever poesia...

    Beijinhos e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para mim, é uma diferença abissal,GRAÇA! Mas se calhar sou eu que sou esquisita e não gosto de ler tudo quanto me põem à frente... :)

      Beijocas

      Eliminar
  5. Bem dito e assino embaixo!
    Excelente final de semana Teté!
    :-)
    Beijo e cheiro pra ti!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que é estranho, KÁTIA, é que haja tanta gente a elogiar versinhos mixurucas, como se de uma grande obra poética se tratasse...

      Beijocas e cheirinhos, menina soteropolitana!:)

      Eliminar
  6. Escreveste : “… mas dado o uso de palavras inusitadas e/ou pomposas já os versos são apelidados de "poesia". Ora ser poeta é muito mais que isso, … “
    Penso exatamente o mesmo e revolta-me quando assim não é !

    … vê se é “possível” ser considerado “um dos maiores”, quem escreve ISTO :

    Dentrífona apriuna a veste iguana
    De que se escalca auroma e tentavela.
    Como superta e buritânea amela
    Se palquitonará transcendia inana !

    Também AQUI … e como é possível prestar-se homenagem, trasladar dos USA e sepultar no Panteão quem assim pensa dos portugueses e de Portugal ?

    Beijoca e bfds, Teté ! :))
    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É, RUI, também não sou fã. Li alguns comentários aos posts, dizendo que ele era neurasténico e tal, mas mesmo assim não invalida que ninguém entende esse verso, nem que as "raivinhas" pessoais não lhe davam o direito de denegrir o país e os conterrâneos. Mas pelo que percebi ele não está no Panteão, mas no cemitério dos Prazeres. E pelo que percebi nem sequer houve propostas para o trasladar para lá... ;)

      Beijocas

      Eliminar
    2. As minhas desculpas a ti e a todos por esse meu lapso no comentário acima, Tetė. :((
      Está realmente nos Prazeres, tal como eu próprio escrevi nos links. Houve de facto muitas entidades que se manifestaram no sentido de que ele deveria ir para o Panteão.
      Esse meu lapso, todavia, não invalida tudo o resto

      Eliminar
    3. Claro que não invalida, RUI, e se queres que te diga acho que o dito senhor não merece ir para o Panteão. Por várias razões e mais algumas, a começar pela sua falta de patriotismo: quem trata assim a sua pátria não merece prémios e honrarias! Nem que ele fosse o maior génio da poesia, que no meu entender esteve muito longe de ser...

      Beijocas

      Eliminar
  7. Conhecia este poema da Sophia de Mello Breyner Andresen, in "Dia do Mar".
    Tenho cá em casa quase toda a sua poesia, em Portugal até os contos infantis tenho.

    "Quando o meu corpo apodrecer e eu for morta" deixou-me muito impressionada e mais triste do que já estava.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também tenho alguma poesia da Sophia cá em casa, até porque o meu marido é maior apreciador do que eu - de poesia de um modo geral, não só da Sophia, EMATEJOCA.

      O facto de ter gostado/ficado impressionada com o poema não tem nada a ver com alguma dica pessoal: tanto quanto sei, por aqui está tudo a correr o melhor possível!

      Eliminar
    2. Não me estava a referir a alguma dica tua, Teté, mas a um caso actual duma familiar portuguesa.

      E que tudo esteja aí a correr o melhor possível é uma óptima notícia que muito me alegra.

      PS: O meu marido é que não gosta mesmo nada de poesia nem de música clássica!

      Eliminar
    3. Lamento, EMATEJOCA, e espero que corra tudo pelo melhor com a tua familiar!

      Aqui o maridão é muito eclético tanto em leituras como em música. Mas raramente lemos os mesmos livros, porque eu só leio ficção... :)

      Eliminar
  8. Li o pensamento do António Lobo Antunes, mas quando somos confrontados com a realidade, sabemos que eles partiram mesmo, embora fiquem para sempre no nosso coração.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Está visto que tenho que arranjar outros pensamentos mais leves, EMATEJOCA! Mas também não tenho dúvidas que se instalam, de modo a nunca os esquecermos... ;)

      Beijocas

      Eliminar
  9. ~ Parafreseando romanticamente Alberto Caeiro... ~

    ~ Sophia e por evocação, Pessoa; ótimas escolhas para assinalar a efeméride... ~

    ~ Uma esplendorosa e agrabilíssima Primavera!

    ~ ~ ~ ~ ~ Beijocas. ~ ~ Abraço amigo. ~ ~ ~ ~ ~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ~ Deveria ter constado, " parafraseando "

      Eliminar
    2. Sophia e Pessoa são sem dúvida grandes expoentes da verdadeira poesia, MAJO!

      Uma esplendorosa primavera também para ti! :)

      Beijocas

      Eliminar
    3. Quem nunca cometeu erros a teclar, que atire a primeira pedra, MAJO. Portanto, não é necessário explicar... :)

      Eliminar
  10. Ora muito bem, Teté! Quem gosta de 'boa' poesia...gosta de poesia. Ponto!

    nem sabes como me sinto contente!

    Eu gosto de Florbela mas não, de toda a sua poesia, estás ver?

    Beijocas:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, JANITA! Mas há que distinguir poesia de arremedos... :)

      E sim, percebo perfeitamente, até porque com os maiores poetas alguns dos seus poemas dizem-me mais do que outros. No caso da Florbela, ela por vezes raia o tétrico... ;)

      Beijocas

      Eliminar
  11. Uma maravilha! Um beijo grande, Teté.

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)